Midia Sem Mascara
    EDITOR: OLAVO DE CARVALHO
3 DE JANEIRO DE 2004
BUSCA NO SITE
  
COLUNISTAS
Alan Neil Ditchfield
Alceu Garcia
Anselmo Heidrich
Caio Rossi
Carlos I.S. Azambuja
Carlos Reis
Charles London
Cleber Benvegnú
Dalton C. Rocha
Denis Rosenfield
Edward Wolff
Evandro Ferreira
Félix Maier
Graça Salgueiro
Heitor De Paola
Henri Carrières
Huascar Terra do Valle
Igor Taam
Ipojuca Pontes
Janer Cristaldo
João Nemo
Jorge Baptista Ribeiro
Josino Moraes
Marcelo Moura Coelho
Marcio Coimbra
Maria Lucia V. Barbosa
Milla Kette
Nivaldo Cordeiro
Olavo de Carvalho
Omar Nasser
Paulo Diniz Zamboni
Paulo Leite
Paulo Mode
Percival Puggina
Raphael De Paola
Rodrigo C. dos Santos
O Estatuto do Idoso
MÍDIA SEM MÁSCARA, 3 DE OUTUBRO DE 2003

Toma mais socialismo! Lula, aos poucos, vai mostrando sua verdadeira cara. Visita ao ídolo e amigo Fidel, críticas desnecessárias e infantis aos Estados Unidos, boné dos guerrilheiros do MST, aproximação com as FARC e coisas do tipo. Suas reformas também são totalmente cosméticas, sem atacar o real problema desse país, o tamanho do Estado. De quebra, ainda propõe um imposto progressivo sobre herança, que na prática forçaria uma estatização das empresas em poucas gerações, ou fuga de capitais. Retira poder das agências reguladoras para concentrá-lo no governo central. Pratica o mais descarado caso de nepotismo da história nacional, garantindo emprego para todos os portadores de carteiras com estrela vermelha.

A nova medida que acusa a face vermelha de Lula está no Estatuto do Idoso. Pretende-se não mais permitir reajuste de preços dos planos de saúde por motivo de idade. Em outras palavras, o cliente fica mais velho, o risco para a empresa aumenta, mas ela está proibida de diferenciar o preço cobrado. Socialismo puro! Estupidez das grandes. Como sempre, criam-se privilégios para determinadas categorias, enquanto espalham os custos por todos os demais discriminados. Concentra-se os benefícios e dispersa os custos. Assim, conseguem mais votos, enquanto deixam o país cada vez mais miserável.

Me impressiona como nessa altura do jogo a população ainda não percebeu que tais medidas "nobres" ocultam um resultado catastrófico. Uma simples pergunta, nunca feita pelos socialistas, refuta a possibilidade de eficácia de tal ato: quem paga por isso? Pela linha do nobre ideal socialista, porque parar por aí então? Lula poderia estender mais benefícios, como por exemplo não deixar que as empresas cobrem preços diferenciados entre elas, acabando assim com a competição e tabelando o serviço com um preço irrisório e acessível. Poderia também exigir que os planos de saúde fossem grátis para os carentes, por conta das empresas. Ou que todos que assim desejassem, tivessem direito ao melhor plano de saúde pagando pelo básico. Não seria fantástico?

Podemos continuar na utopia romântica e ignorante dos socialistas. Depositamos no Estado a função de justiceiro social, e desta maneira ele obrigaria os hotéis a acomodar todos os carentes, os restaurantes a distribuírem comida grátis, as farmácias a darem remédios para todos, e por aí vai. Não é lindo? Um mundo justo, sem desigualdade e competição? O resultado prático de um sonho estapafúrdio desses nós já temos, basta observar Cuba, Coréia do Norte, ex-URSS, Camboja e outros "paraísos de igualdade" do tipo. Todos, com a exceção da cúpula de poder, estão igualmente mortos ou miseráveis.

Lula já teve todo o tempo do mundo para aprender algumas importantes lições. Parece que optou pelo "ostracismo intelectual". Continua com as mesmas amizades de sempre, apenas recebeu uma brilhante camuflagem do publicitário Duda Mendonça. O discurso de "tudo pelo social" resulta na prática no caos total. Lula não liga. Ele faz parte da nomenklatura favorecida pelos extorsivos impostos. Vai poder agora viajar no novo jato de US$50 milhões, para rodar o mundo todo levando sua mensagem de "justiça social". E quem paga a conta dessa festa toda? Ah, essa pergunta não é nem um pouco importante. Nunca foi. Os ideais nobres dos socialistas não permitem preocupações com detalhes. Acontece que sem ligar para esses detalhes "bobos", eu consigo ser muito mais nobre que o próprio Lula. Eis minha proposta: isentem os idosos de qualquer gasto que tenham. Vamos oferecer transporte gratuito, moradia boa, remédios, plano de saúde e porque não, viagra!