Esta página estava anteriormente disponível no Terravista, “praia” do Guincho, 1421. Por indisponibilidade deste servidor, e tendo por única opção realista pura e simplesmente retirar estes conteúdos do “cíber-espaço”, decidi mantê­‑los aqui sem modificações. Desculpem os erros por corrigir e inevitáveis desactualizações. Assim que tiver uma página equivalente actualizada (ou seja, para a maioria delas, nunca) a antiga será substituída por uma ligação.

em obras!Estandartes dos reis portugueses

Nota: As imagens desta página foram construídas de acordo com os padrões da colecção Flags of the World.
Índice: Outras páginas:

Introdução

Até 1640, não se distinguia em Portugal (à semelhança das práticas heráldicas europeias) entre o brasão de um senhor e o do seu senhorio (território), notavelmente entre o brasão real e o do Reino. Esta noção fez com que até Dom João IV fosse usado o estandarte real nas funções que posteriormente foram atribuídas à bandeira nacional (conceito que só aparece definitivamente em Portugal com o Liberalismo).

Tanto era assim que, até essa data, sempre que subiu ao trono outro que não o primogénito do anterior rei, a bandeira foi mudada (1245, 1385 e 1485). Diversos outros símbolos usados pelos futuros monarcas em vida de seus pais são também de grande relevância pela sua influência nas bandeiras de Portugal.

Na tabela sinóptica que serve de índice a esta página, portanto, o texto ligado às bandeiras até 1640 é o da página das bandeiras de Portugal, encontrando-se aqui apenas os estandartes pessoais ou dinásticos dos monarcas subsequentes.


Tabela sinóptica

Dinastia Senhor Estandarte Bandeira
Borgonha Conde Dom Henrique (1081-1139)
Conde Dom Afonso Henriques (1139-1143)
El-Rei Dom Afonso Henriques (1143-1185)
El-Rei Dom Sancho I (1185-1211)
El-Rei Dom Afonso II (1211-1223)
El-Rei Dom Sancho II (1223-1245)
El-Rei Dom Afonso III (1245-1279)
El-Rei Dom Dinis (1279-1325)
El-Rei Dom Afonso IV (1325-1357)
El-Rei Dom Pedro I (1357-1367)
El-Rei Dom Fernando (1367-1383)
Aviz El-Rei Dom João, Mestre de Avis (1385-1433)
El-Rei Dom Duarte (1433-1438) ?
El-Rei Dom Afonso V (1438-1481)
El-Rei Dom João II (1481-1485) ?
El-Rei Dom João II (1485-1495)
El-Rei Dom Manuel (1495-1521)
El-Rei Dom João III (1521-1573) ?
El-Rei Dom Sebastião (1573-1577) ?
El-Rei Dom Sebastião (1577-1578)
El-Rei Dom Henrique (1578)
Áustria El Rey Don Filipe I (1580-1598),
II de Espanha (1551-1598)
El Rey Don Filipe II,
III de Espanha (1598-1621)
El Rey Don Filipe III (1621-1640),
IV de Espanha (1621-16XX)

Bragança El-Rei Dom João IV (1640-1656)
El-Rei Dom Afonso VI (1656-1667) ?
El-Rei Dom Pedro II (1667-1706)
El-Rei Dom João V (1706-1750)
El-Rei Dom José (1750-1777) ?
Coburgo-Bragança El-Rei Dom Pedro III (1777-1786) ?
Rainha Dona Maria I (1777-1816) ?
El-Rei Dom João VI (1816-1826) ?
El-Rei Dom Pedro IV (1826) ?
Rainha Dona Maria II (1826-1828)
El-Rei Dom Miguel (1828-1833) ?
Rainha Dona Maria II
(1833-1853)
Saxe-Coburgo-Gotha El-Rei Dom Pedro V (1853-1861)
El-Rei Dom Luís (1861-1889) ?
El-Rei Dom Carlos (1889-1908) ?
El-Rei Dom Manuel II (1908-1910) ?
Pretendente Dom Manuel II (1910-1932)
Bragança Pretendente Dom Duarte Nuno (1932-1976) ?
Pretendente Dom Duarte Pio (>1976) ?
Dinastia Senhor Estandarte Bandeira

Dom Afonso III, Duque de Bolonha (12XX-12XX)

1:1

© António Martins

Dom Afonso III usou dezasseis besantes em cada escudete, em vez dos onze habituais, enquanto usou o título de Duque de Bolonha. (< Trindade Coelho: Manual Politico do Cidadão Portuguez. Porto, 1908. 2ª edição, actualisada e muito augmentada.)


Domínio Filipino (1580-1640)

?8:11

© António Martins

Embora durante este período se tivesse continuado a usar a bandeira de Dom Sebastião no território de Portugal, bem como os vários pavilhões navais a bordo de embarcações portuguesas, a cruz de Borgonha (raguey sauteur gueules), estandarte real dos Filipes, pode ter sido usada em diversas situações também em Portugal. (< Jaume Ollé )

2:3

© André Serranho

Esta teria sido a bandeira armorial da Casa de Áustria durante o periodo em que dominou também sobre o Reino de Portugal. Podem-se reconhecer as armas de Castela, no campo I: esquartelado de vermelho, um castelo de prata iluminado de azul, e prata, um leão púrpura. No campo II, à dextra, as armas de Aragão: partido, ouro, quatro palas de vermelho, e à sinistra, as das Duas Sicílias: franchado de ouro, quatro palas de vermelho, e prata, uma águia,de negro. Em ponta entre o I e o II, as armas de Granada: de prata, uma romã, de sua cor. No campo III, em chefe, as armas da Áustria: de vermelho, uma faixa, de prata; em ponta, as antigas armas da Borgonha: bandado de ouro sobre azul, borda de vermelho. No campo IV, em chefe, as armas novas da Borgonha: de azul, carregado de flores de lis, de ouro, borda escaqueada de prata e vermelho; em ponta, as armas do Brabante: de negro, um leão, de ouro. Em abismo, dois escudetes, o do chefe com as armas de Portugal: de prata, cinco escudetes azuis postos em cruz, cada um carregado de cinco besantes, de prata, em aspa, borda de vermelho carregada de sete castelos, de ouro; e o da ponta partido: à dextra, as armas da Flandres: de ouro, um leão, de negro; e à sinistra, as armas do Tirol: de prata, uma águia, de vermelho. (< Mario Fabretto & Mark Sensen)


Dom João IV (1640-1656)

2:3

© António Martins

(< Trindade Coelho: Manual Politico do Cidadão Portuguez. Porto, 1908. 2ª edição, actualisada e muito augmentada.)


Dom Pedro II (1667-1706)

2:3

© António Martins

(< Trindade Coelho: Manual Politico do Cidadão Portuguez. Porto, 1908. 2ª edição, actualisada e muito augmentada.)


Dom João V (1706-1750)

2:3

© António Martins

(< Trindade Coelho: Manual Politico do Cidadão Portuguez. Porto, 1908. 2ª edição, actualisada e muito augmentada.)


Dona Maria II (1826-1828, 1833-1853)

2:3

© António Martins

Esta bandeira pode também ser apreciada no Museu da Marinha, em Lisboa. (< Trindade Coelho: Manual Politico do Cidadão Portuguez. Porto, 1908. 2ª edição, actualisada e muito augmentada.)


Dom Pedro V (1853-1861)

~~13:18

© António Martins

Esta imagem é fac simile de uma tapeçaria exposta no Palácio da Pena, em Sintra, identificada como estandarte pessoal de Dom Pedro V. De notar a manutenção do fundo vermelho («escarlate»), típico das bandeiras pessoais do rei desde 1706, para além dos monogramas reais que adornam os cantos. Não é claro se o grosseiro do traço e as incorrecções heráldicas patentes (quinas em aspa, torres por castelos) foram deslizes do teçelão ou se são de facto consentâneos com as práticas vexilológicas de época...


Dom Afonso V



De negro, um ceptro de ouro encimado por uma cabeça de africana. Estas armas pessoais de Dom Afonso V viriam a influenciar o brasão d'armas da Guiné Portuguesa.


Dom Manuel

1:1

© António Martins

A esfera armilar, símbolo da ciência náutica, foi originalmente emblema pessoal de Dom Manuel, de ouro, sobre francha de prata e vermelho. A sua adopção como pavilhão das Carreira das Naus do Brasil veio mais tarde a transformá-la no símbolo do novo reino, o que por sua vez levou à sua inclusão na bandeira portuguesa de 1816-1826 e (por outros motivos) na actual.

1:1

© António Martins
& Nuno Rubim

Uma versão talhada (ao invés de franchada) aparece numa gravura antiga representado a cidade de Évora.


Príncipe da Beira

1:1

© António Martins

Título atribuído desde Dom Manuel ao príncipe herdeiro, válido durante o reinado de seu avô: as armas de Portugal, e, por diferença, um lambel de prata de três pés, cada um com um botão de rosa de sua cor. (< Simas Alves de Azevedo)


Bandeiras do Bacano: Instruções | Historial | Ligações | página formatada por António Martins