Rio de Janeiro, domingo, 02 de novembro de 2008 - 19h54min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos
» 1ª Página » Clube » Símbolos
» Nome
The Bangu Athletic Club / Bangu Atlético Clube
Theodoro Sampaio (Theodoro Fernandes Sampaio - Engenheiro, brasileiro contemporâneo. Talvez o mais notável conhecedor de assuntos indianistas no seu tempo, 1854/1937), autor de o "Tupí na Geografia Nacional" afirma que Bangu significa: Anteparo negro; paredão escuro ou escurecido, cheio de sombras ou sombreado.

O professor Ondemar F. Dias Junior, em resposta à carta de José Franco Mercadante, diz: "não nos parece a afirmação de um só autor", lembrando a necessidade de consultar o "Tupi na Geografia Nacional" de Theodoro Sampaio. Todavia, o nome "Bangu" já aparecia em 1740.

Há, no entanto, quem diga que a origem do nome BANGU é uma corruptela da palavra "BANGUÊ" que identifica em Engenho de fazer açúcar ou local onde se colocava o bagaço da cana, depois de moída e que seria usado como combustível para a alimentação do fogo nas fornalhas (Paschoal José Granado e José Franco Mercadantes).
» Escudo
Desde sua fundação o clube tem por meta se desenvolver em três setores: o social, o cultural e o esportivo. Tanto isso é verdade que no nosso escudo, as letras B, A, C não são simples desenhos, cada qual representa um objeto. O "B" significa um pincenê, espécie de monóculos muito usado no século XX, e que representa o lado "intelectual" do clube. O "A" é um suporte para pintura de telas, mostrando uma vocação para o lado cultural e o "C" representa uma ferradura, desejando sorte nas atividades esportivas. Foi pensando nisso que, o chefe da seção de gravura da Fábrica Bangu, o português José Villas Boas, em 1904, desenhou o escudo mais bonito do país.
» Cores
A razão de sua camisa vermelha e branca tem versões contraditórias. Uns atribuem sua escolha aos ingleses que trabalhavam na Fábrica Bangu, uma homenagem a São Jorge, padroeiro da Inglaterra. Outros, acham que as cores são as mesmas do Southampton F.C., time antigo da Inglaterra, cujo brasão é representado por três rosas (duas vermelhas e uma branca).
» Hino
O Bangu tem também a sua história a sua glória,
enchendo seus fãs de alegria.
De lá, pra cá, surgiu Domingos da Guia.
     
Em Bangu se o clube vence há na certa um feriado.
Comércio fechado, a torcida reunida até parece a do Fla-Flu,
Bangu...Bangu...Bangu.
     
O Bangu tem também como divisa na camisa,
O vermelho sangue a brilhar,
E faz cartaz, estouram foguetes no ar.
Foi em 1949 que o compositor Lamartine Babo, famoso por suas "marchinhas" de carnaval compôs os hinos dos clubes do Rio de Janeiro. A gravação, porém, só seria comercializada no ano seguinte, aproveitando a realização da Copa do Mundo no Brasil.

O mais curioso foi como Lamartine teve que escrever os hinos. Há muito tempo, o compositor vinha "enrolando" a gravadora com a entrega das músicas. Com a paciência esgotada, os diretores da indústria fonográfica tiveram a idéia de convidar Lamartine para um baile fictício. Ao chegar no lugar, não havia festa alguma, mas sim irritados empresários que prenderam o boêmio e só o deixariam sair depois que escrevesse a letra dos hinos de todos os clubes do Rio de Janeiro.

E foi assim que o "malandro" Lamartine Babo, enfim, entregou as músicas à gravadora. Torcedor fanático do América, deixou para compor o hino do seu clube por último, e com certeza o fez um dos mais belos do país. O hino do Bangu também ficou pronto naquela noite, e como curiosidade, cita em sua letra o nome do grande craque Domingos da Guia.

Ouça o hino
» Mascote
Em 1981 muitos críticos esportivos diziam que faltava "peso na camisa" ao Bangu para enfrentar os grandes times do país. Talvez por isso, Castor de Andrade tenha colocado um adereço novo no uniforme alvirrubro. Se do lado esquerdo estava o distintivo desenhado em 1904 por José Villas Boas, do lado direito, agora, aparecia a mascote do time, justamente um castor, simbolizado por um simpático roedor preto, de cauda longa e empinada, em belíssima e eterna homenagem ao Grande Benemérito e futuro Patrono do clube.

Mais do que nunca - parodiando o Salmo 23, Versículo I, da Bíblia Sagrada - em Bangu "O Senhor é o meu Castor e nada nos faltará..."
      
Estadual 2008
 
2ª Divisão
  4ª Fase
próximo jogo
Aperibeense
BANGU
05/11 - qua - 16h
José Gonçalves
último jogo
Olaria
BANGU
01/11 - sáb - 16h
Mourão Filho
Livros
 
Temporada 2008
 
Jogos 26
Vitórias 17
Empates 6
Derrotas 3
Gols pró 47
Gols contra 19
Saldo de gols 28
Aproveitamento 73%
Artilheiros 2008
 
Jogador
Gols
Bruno Luiz
9
Valdir
8
Hiroshi, Edinho e Fred
4
Rafael Zaror, Sassá, Baiano, Somália e Victor Hugo
3
Abílio e Thiago Costa
1