Vickers Valparaiso I e II
(Vickers Vixen II)

Em 1923 Portugal adquiriu em Inglaterra 14 aeronaves Vickers Valparaiso, designados I ou II, conforme estavem equipadas com motores Napier Lion (10 unidades) ou Rolls-Royce Eagle (quatro unidades).

Estas aeronaves eram a versão de exportação do biplano Vickers Vixen II, e a denominação Valparaiso advinha-lhes do facto do seu protótipo ter sido fornecido ao Chile, e por isso se escolheu o nome duma cidade chilena.

Os Vickers Valparaiso I foram destinados ao Grupo de Aviação de Informação, em Alverca, com funções de reconhecimento. Os Vickers Valparaiso II foram dotar a Escola Militar de Aviação (EMA), em Sintra, para funções de treino avançado.

Em 1928, uma patrulha constituída por dois Vickers Valparaiso I, tripulados por Celestino Pais de Ramos e António de Oliveira Viegas como pilotos, João Maria Esteves como observador, e o mecânico Manuel António, efectuaram uma viagem de 17.397 km, ligando a Amadora, Guiné Portuguesa, S. Tomé, Angola e finalmente Moçambique (Lourenço Marques).


Fonte: Mário Canongia Lopes e José Manuel Rodrigues Costa
"Os Aviões da Cruz de Cristo", edição Dinalivro, Lisboa, 1989.

Especificações
Nº. de unidades10
Período de
utilização
1924 - 1933
Envergadura12.19 m
Comprimento8.83 m
Altura3.55 m
Área Alar48.39 m2
MotorizaçãoNapier Lion IA
Potência468 hp
Velocidade máxima218 km/h
Velocidade de cruzeiro177 km/h
Raio de acção885 km
Razão de subida290 m/min
Tecto de serviço5940 m
Peso vazio1418 kg
Peso equipado2144 kg


Modelos radio-comandados

Desenhos, planos e kits
Informações disponíveis no Museu do Ar


Regresso à Primeira Página
1