30/05/2010 08h22 - Atualizado em 30/05/2010 08h57

Luís Fabiano ataca Jabulani, a bola da Copa: ‘Ela é sobrenatural’

Depois das críticas do goleiro Julio Cesar, neste domingo foi o atacante da seleção brasileira quem criticou o produto oficial

Por Leandro Canônico, Márcio Iannacca e Thiago Lavinas Direto de Joanesburgo, África do Sul

Luis Fabiano e Julio Baptista durante a entrevista coletiva do BRasilJulio Baptista e Luís Fabiano: críticas à bola
(Foto: Thiago Correia / Globoesporte.com)

Jabulani, a bola da Copa do Mundo da África do Sul, definitivamente não está com moral entre os jogadores da seleção brasileira. Pelo contrário. Ela parece ser uma inimiga. Depois de o goleiro Julio Cesar falar que ela é “horrorosa e parece as que são vendidas em supermercado”, neste domingo foi a vez de Luís Fabiano criticar.

O atacante do Brasil criticou a bola de maneira engraçada e irônica, especialmente porque no último sábado trabalhou finalização com ela (a bola oficial do Mundial foi fabricada pela Adidas e custa aproximadamente R$ 400).

- Essa bola é sobrenatural. A trajetória que ela faz é estranha, ela sai de você, parece que não gosta que alguém chute. Parece que tem alguém guiando, porque quando você vai chutar ou cabecear, ela muda a trajetória – falou o camisa 9.

Como não há chance de mudança, o atacante do Sevilla, da Espanha, espera ao longo dos treinamentos melhorar a sua relação com Jabulani. Até porque, além de ganhar a Copa do Mundo, ser artilheiro está entre os seus planos.

- A bola é mais um adversário. Espero me adaptar o mais rápido possível, porque no sábado foi difícil o treinamento de finalização – acrescentou Luís Fabiano.

A trajetória que ela faz é estranha, ela sai de você, parece que não gosta que alguém chute"
Luís Fabiano

Julio Baptista, que também deu coletiva neste domingo em Joanesburgo, na África do Sul, foi outro que criticou Jabulani. Mas em tom mais técnico.

- Tanto para os jogadores como para os goleiros ela é muito ruim. Os laterais tentam cruzar, colocando aquela rosca, mas a bola faz muita curva. Quando o atacante chuta, ela dá três ou quatro roscas antes de chegar ao goleiro. É uma bola bem complicada, bem diferente das utilizadas na Europa – disse o meia.

A seleção brasileira treina na tarde deste domingo na Randburg High School. Pela manhã, apenas o meia Kaká e o atacante Luís Fabiano, que se recuperam de problemas musculares, é que fizeram alguma atividade.
 

  • imprimir
  • entre em contato
  • Compartilhar no Orkut
  • Enviar para um Amigo
140 caracteres

Verificação de segurança

Gênero