Manuel Alegre
"Não serei candidato em nome de nenhum partido. Serei candidato por Portugal "

Home
Notícias
EditoriaisCandidato
Biografia
Bibliografia
Antologia Política
Opinião
Discurso Directo
Discurso Indirecto
Pontos de Vista
Campanha
Agenda
No terreno
Sondagens
Estrutura
Apoiantes
Financiamento
Galeria de Arte
Links
Downloads

Pré-candidatura presidencial de Manuel Alegre
Analistas e apoiantes apontam para combate decisivo
[01.02.2010]
"Um combate decisivo" é o título do artigo hoje divulgado no Público do politólogo André Freire, que contraria com factos as teses dos que acusam Manuel Alegre de não conquistar votos ao centro. O politólogo passa em revista os pontos fortes de Manuel Alegre e Cavaco Silva, defendendo que aquilo que Alegre "fez na legislatura passada foi chamar a atenção" para o seguinte: "o registo autoritário e centrista da governação contradizia o ideário socialista e algumas promessas de 2005."

Por outro lado, apoiantes de Manuel Alegre um pouco por todo o país estão a reagir a acusações infundadas feitas a Manuel Alegre. Depois de Ricardo Castanheira no jornal "As Beiras" ter afirmado que a candidatura de Alegre "estava escrita nas estrelas", João Silva, no Diário de Coimbra de ontem, escreve que "acusar Manuel Alegre por dificuldades criadas ao Governo socialista na passada legislatura, que ainda estarão vivas, é uma afirmação arriscada, para não dizer outra coisa, dado que para muitos militantes e eleitores do PS Manuel Alegre com os seus alertas, chamadas de atenção e posterior participação na campanha eleitoral do PS garantiu, isso sim, que o PS não tivesse sido mais penalizado eleitoralmente." António Vilhena, num belo texto publicado no site do MIC, afirma que "o regresso de Manuel Alegre activa as utopias que o imaginário nunca dissolve."

De referir ainda o texto de João Rodrigues, economista e co-autor do blogue "Ladrões de bicicletas", hoje publicado no jornal i, no qual o autor defende que "tão importante como ter o apoio do BE, do PCP e do PS - e ninguém melhor do que Alegre para o conseguir e assim quebrar a incomunicabilidade entre as esquerdas - é forjar as palavras certas, as que redefinem o centro do debate, rompem com um consenso esgotado e produzem um bem que escasseia: esperança."


Veja o artigo de André Freire AQUI

Veja o artigo de Ricardo Castanheira AQUI

Veja o artigo de João Silva AQUI

Veja o texto de António Vilhena AQUI

Veja o texto de João Rodrigues AQUI


[outras Notícias] ++