Ir para conteúdo | Ir para menu do site | Ir para home do site

TERMÔMETRO

Superinteressante edição 019
Edição anteriorabr 1989 Edição posterior
Receba as atualizações da Super em seu RSSRSS
Outras matérias
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Para prevenir o alcoolismo
  • Exame de sangue pode indicar se uma pessoa tem ou não tendência para se tornar alcoólatra.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Homenagem ao planeta Terra
  • IBM do Brasil investe 400 mil dólares numa exposição sobre origem e evolução da vida.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • O segredo das bactérias
  • Bactéria de 143 anos de idade mostra resistência aos mais modernos antibióticos.
  • PERGUNTAS SUPERINTRIGANTES
  • Estações
  • O ano é dividido em estações devido à inclinação do eixo de rotação da Terra.
  • PERGUNTAS SUPERINTRIGANTES
  • Cotovelo
  • O choque no cotovelo é engano dos sentidos, em virtude de ser uma região onde o nervo ulnar fica exposto, e é fácil tocá-lo diretamente.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Mais velho do que se acreditava
  • Descoberto no sul da Escócia o fóssil de um lagarto, cuja idade foi estimada em 340 milhões de anos.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Germes no tempo dos dinossauros
  • Cientistas americanos descobriram, numa escavação, 3.500 germes que talvez tenham sido do tempo dos dinossauros.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Drible no campo da malária
  • Cientistas americanos descobrem uma nova combinação de drogas para o tratamento dos doentes de malária.
  • PERGUNTAS SUPERINTRIGANTES
  • Piscada
  • Piscamos para umidificar e limpar os olhos.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Música para milhões
  • Brevemente, tocar um instrumento musical será algo tão simples como imitar os gestos dos músicos de uma orquestra sinfônica, graças aos novos aparelhos que estão sendo inventados e lançados no mercado norte-americano.
  • O vulcão que saiu do mar
  • Ilha de Trindade, uma espetacular amostragem do vulcanismo submarino, sua forma primitiva e algumas espécies de plantas.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Lar, doce lar de plástico
  • A General Electric investirá 4 milhões de dólares na construção de uma casa de plástico para demonstrar a possibilidade de uso do material na construção civil.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • O eclipse oculto das estrelas
  • Astrônomo observa o mais rápido eclipse estelar de que se tem notícia e descobre importantes novidades sobre as estrelas binárias.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Viagem à China subterrânea
  • Pesquisadores ingleses e chineses terminaram em 1988 a maior e mais perigosa etapa do projeto Cavernas Chinesas que objetiva desvendar os mistérios das grutas existentes naquele país.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Roma escondia sua idade
  • Descobertas arqueológicas feitas por pesquisadores italianos e americanos poderão mudar a história dos primeiros anos de Roma.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Nova arma contra o colesterol
  • Descoberto um hormônio produzido por células sanguíneas capaz de reduzir o nível de colesterol no corpo humano.
  • PERGUNTAS SUPERINTRIGANTES
  • Galáxias
  • É calculada por meio da luminosidade das cefeidas, estrelas que variam de brilho regularmente.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Defesas contra o lixo espacial
  • Criam-se defesas contra o lixo expacial acumulado em volta da Terra.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Posição do vírus causa câncer
  • Vírus da hepatite pode causar câncer, de acordo com pesquisadores do Instituto Pasteur, na França.
  • Ilustres desconhecidas
  • O papel das vitaminas no corpo humano, sua importância para a prevenção ou cura de doenças.
  • Pela seleção artificial
  • A engenharia genética começa a produzir animais com características inexistentes na natureza: são os chamados animais transgênicos, criados e pesquisados com propósitos científicos e comerciais; box: a polêmica em torno da questão dos seres transgênicos.
  • GRANDES IDÉIAS
  • O termômetro
  • Como o termômetro passou a ser usado no diagnóstico médico.
  • Os primeiros brasileiros
  • Pesquisas arqueológicas em região do Piauí indicam que o homem pode ter estado no Brasil há 41.500 anos, muito antes do que se imaginava. Boxes: opinião da antropóloga Betty Meggers sobre o assunto, o método de datação pela radioatividade e o autêntico Homo sapiens.
  • Terra quente
  • O clima da Terra vem se elevando progressivamente, devido ao efeito estufa. Cientistas lançam o alerta para as mudanças que isso pode provocar no planeta; box: a procura de um combustível que substitua o petróleo, carvão e o gás natural.
  • Uma viagem no tempo com Einstein
  • Segundo a Teoria da Relatividade de Albert Einstein, um gêmeo pode ficar mais moço que o seu irmão, fazendo uma viagem em alta velocidade; o tempo, nessas condições, passa mais devagar; boxes: exemplos para se entender melhor a Relatividade.
  • PERGUNTAS SUPERINTRIGANTES
  • Detergentes
  • Detergentes ajudam a água a umedecer melhor os objetos e quebram as partículas de gordura, impedindo que se reaglutinem.
  • PERGUNTAS SUPERINTRIGANTES
  • Peixes
  • Os peixes não dormem, mas precisam repousar; caso contrário, morreriam de cansaço.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Os caminhos que levam a Marte
  • Presidente dos EUA recebe relatório da NASA com informações e detalhes para tornar possível a colonização de Marte.
  • NOTÍCIAS SUPERINTERESSANTES
  • Já assistiu a sua revista hoje?
  • Revistas tradicionais americanas estão lançando edições em vídeo.
  • DITO E FEITO
  • Sapos e dragões na caça aos terremotos
  • O primeiro sismógrafo construido, foi na China pelo sábio Chang Heng, no século II da nossa era.
  • DOIS MAIS DOIS
  • Lenda e realidade de Pitágoras
  • Teorema de Pitágoras, lenda e realidade cercando o conhecimento.
  • Santos Dumont: as asas do homem
  • Perfil de Santos Dumont.
  • LIVROS SUPERIMPORTANTES
  • Livros indicados pela revista Superinteressante.
  • Cidadãos em armas
  • Como evoluiu o serviço militar obrigatório, desde sua origem na Revolução Francesa.
  • Trens a jato
  • Surge uma nova alternativa de transporte na Europa: trens que viajam a altas velocidades, capazes de competir com os aviões em percursos de média distância.
  • TELESCÓPIO
  • O mistério da "lua russa"
  • Explicação do fenômeno, que fazia com que os jardineiros e agricultores do século XVIII acreditassem na capacidade refrigerativa dos raios lunares.

O termômetro

Como o termômetro passou a ser usado no diagnóstico médico.

A observação clínica, o conhecimento fisiológico e o desenvolvimento técnico trabalharam juntos para aperfeiçoar um instrumento que se tornou indispensável

A importância da observação da temperatura do corpo humano é conhecida desde a Grécia de Hipócrates (século V a.C.). Os médicos gregos, entretanto, precisavam de muito tato para tomar a temperatura de seus pacientes. Literalmente, pois só dispunham das mãos para fazer essa avaliação. Já na Idade Média, a febre era considerada muito importante na prática médica, mas ainda não existia a medição científica da temperatura. A idéia de um instrumento capaz de medir a temperatura foi talvez inspirada nos escritos de Heron de Alexandria (século I d.C.), editados na Itália, em 1575. Numa lista de estranhos inventos descritos, havia uma enigmática "fonte que goteja ao sol". Os cientistas italianos da época propuseram uma explicação para o fenômeno: seria a expansão de um líquido devido ao calor. Assim, no fim do século XVI, surgia o termoscópio a ar, precursor imediato do termômetro.

O termoscópio consistia em um frasco bojudo de vidro, de gargalo fino e comprido. Ao se aquecer o frasco, o ar em seu interior se dilatava, sendo parcialmente expelido. Em seguida, virava-se o frasco para baixo, com a boca mergulhada numa vasilha cheia de água colorida ou álcool. Quando o ar do frasco resfriava, voltava ao volume normal, fazendo a água subir dentro do gargalo. Dessa forma, as mudanças na altura da coluna de água indicavam variações na temperatura ambiente. Até então, ninguém percebera aplicação médica para o instrumento. Somente em 1611 o médico italiano Santorio San-torre (1561-1636) idealizou uma escala para o termoscópio, transformando-o no primeiro termômetro clínico de que se tem notícia.

Santorre tinha um grande interesse em medir a temperatura corporal e fez várias experiências nesse sentido na Universidade de Pádua, onde era professor. A eficiência desse termômetro, todavia, deixava muito a desejar, pois não levava em conta a influência da pressão atmosférica sobre o nível da água. Por volta de 1632, o médico francês Jean Rey (1583-1645) inventou o termômetro a líquido, que usava água em vez de ar como indicador de mudanças na temperatura. Ele simplesmente encheu um frasco, semelhante ao de Santorre, até a água alcançar o nível do início do gargalo. Conforme a temperatura variava, variava também a altura da água no gargalo, sujeita ainda às variações atmosféricas. Esse problema seria solucionado com o surgimento do primeiro termômetro selado, construído era 1654 por Ferdinando II de Medici (1610-1670), grão-duque da Toscana. Tratava-se de um tubo de vidro fechado hermeticamente e contendo álcool que, como foi descoberto, se dilata mais rapidamente do que a água.

Durante o século XVII, vários termômetros foram construídos, mas sem nenhum rigor científico. Por isso, as medições feitas por aparelhos diferentes nunca coincidiam. Em 1665, o físico e astrônomo holandês Christiaan Huygens (1629-1695) sugeriu uma escala padrão, dividida em 100 graus e tendo como pontos fixos as temperaturas de congelamento e de ebulição da água. Mas não foi ouvido: no início do século XVIII, eram conhecidas nada menos que 35 escalas, com base em referências tão precisas como, por exemplo, o ponto de derretimento da manteiga ou a temperatura dos úmidos porões do Observatório de Paris.

Para acabar com essas disparidades, só mesmo o extremo rigor científico do físico alemão Gabriel Daniel Fahrenheit (1686-1736), fabricante de instrumentos meteorológicos em Amsterdam. Descontente com a péssima qualidade dos termômetros holandeses da época, ele fabricou um a álcool, em 1709, extremamente preciso e confiável. Na sua escala, o ponto zero era a temperatura de uma mistura de neve e sal amoníaco, a mais baixa que ele conseguiu medir, equivalente a -18º C; o ponto de fusão do gelo correspondia a 32 graus (0º C); e o ponto de ebulição da água, a 212 graus (100° C).

Em 1714, ao descobrir que o mercúrio se dilata mais uniformemente do que o álcool, Fahrenheit inventou o primeiro termômetro de mercúrio fechado a vácuo, driblando não só a pressão atmosférica mas o próprio ar. Então era possível dizer que o termômetro realmente media a temperatura. Graças ao trabalho de Fahrenheit, o termômetro ganhava status de instrumento científico.

Por essa razão, ainda no século XVIII, o termômetro começou a ser usado regularmente nos hospitais e nas universidades européias, devido principalmente às pesquisas do médico holandês Hermann Boerhaa-ve (1668-1738). Ele percebeu que a temperatura corporal era tão importante quanto o pulso para avaliar o estado de saúde de seus pa cientes. Em 1742, o astrônomo sueco Anders Celsius (1701-1744) aproveitando as idéias de Huygens, fez um termômetro de mercúrio com escala de zero a cem graus, em que a temperatura normal do corpo correspondia a 36,7 graus (98,6" F), logo incorporado à prática médica, pois a escala centígrada é mais fácil de ser lida.

Foi fundamental também para a termometria clínica o trabalho do médico alemão KarI August Wunderlich (1815-1877), que descobriu que a febre era um sintoma, e não uma doença.

Um problema crucial, entretanto, ainda tinha de ser vencido: impedir que o mercúrio descesse quando o termômetro fosse retirado da boca ou da axila do paciente, para evitar erros de leitura. Para resolver a questão, Sir William Aitken (1825-1892), médico escocês de Edimburgo, inventou, em 1852, o chamado termômetro de máxima. Aitken, autor de vários ensaios sobre a prática da Medicina, estava começando a estudar certas infecções dos pulmões causadas por febres contagiosas. Para isso, as temperaturas tinham de ser medidas com muita atenção, acrescendo-se alguns décimos de grau, aleatoriamente, para compensar a queda do mercúrio. Em conseqüência, os auxiliares de Aitken liam as marcações dos termômetros cometendo grosseiros arredondamentos, que multiplicavam os erros na hora de elaborar o gráfico de variação da temperatura de cada paciente. Como as medições ficassem cada vez mais constantes, às vezes tirando a temperatura de várias pessoas ao mesmo tempo, Aitken idealizou um estrangulamento no tubo de vidro, logo acima do bulbo de mercúrio.

Assim, depois que o mercúrio se dilatava, estacionava na graduação correspondente à temperatura máxima registrada, o que permitia que ele próprio, com a calma de um bom clínico geral, lesse a temperatura, alguns providenciais minutos após a medição, sem o "chute" de seus pupilos. Para o mercúrio descer, só era preciso sacudir o termômetro, como se faz até hoje. No decorrer do século XX, poucas mudanças ocorreram no termômetro clínico e uma delas foi a leitura eletrônica digital: trata-se de um termômetro comum, com um mostra-dor semelhante ao de um relógio digital; alguns modelos emitem um "bip" quando é alcançada a temperatura máxima.

Para o futuro, o que se espera é o aperfeiçoamento do uso de semicondutores em termômetros. Nesses aparelhos, a temperatura é calculada mais rápida e precisamente, a partir da variação da corrente elétrica através de um chip de silício - sua condutividade varia conforme a temperatura. Com a crescente microminiaturação dos circuitos eletrônicos, é bem possível que, dentro de poucos anos, os médicos tirem a temperatura com o termômetro na ponta do dedo dos pacientes - como faziam seus colegas gregos, 25 séculos atrás.

 

Capa de Super 254 Leia a Super 254
Publicidade
Anuncie
topo
Superinteressante

[1987 - 2009] Editora Abril S.A.

Todos os direitos reservados.