Quase 83 anos depois do primeiro duelo, Strongest e Bolívar voltam a se enfrentar no maior clássico do futebol boliviano. A seguir, o FIFA.com relembra os grandes momentos de um confronto cheio de história.

As origens
Fundado dia 8 de abril de 1908 por um grupo de amigos recém-saídos do serviço militar na cidade de La Paz, o Strongest é considerado o clube mais antigo da Bolívia. Naquela época, estava na moda usar nomes ingleses, e a escolha mandou uma mensagem clara: "o mais forte". A adoção do tigre como mascote reforçou ainda mais a ideia e o lema da equipe: força, persistência e garra.

Os primeiros rivais foram o já extinto Colégio Militar e o Universitário de Sucre, mas tudo mudou com o surgimento do Bolívar em 12 de abril de 1925. Também de La Paz, o clube nasceu com raízes intelectuais e nacionalistas como Atlético Bolívar Literário Cultural e logo passou a adotar o nome Club Atlético Bolívar, mantendo o apelido de "Academia".

Cerca de 3 mil espectadores assistiram no dia 16 de outubro de 1927 ao primeiro confronto entre as duas equipes, que terminou sem gols em uma partida muito disputada segundo os relatos da época. Bem diferente foi o primeiro duelo "oficial", no dia 1º de março de 1928. Pelo campeonato citadino de La Paz, no velho estádio Hernando Siles, o Bolívar venceu por 3 a 0.

Números que falam
A rivalidade foi crescendo gradualmente à medida que as torcidas dos dois times se tornavam as maiores do país. Ela ganhou ainda mais força com a profissionalização do Campeonato Boliviano em 1977. Desde então, o clássico já aconteceu 168 vezes, com 72 vitórias do Bolívar (253 gols), 40 do Strongest (204) e 56 empates.

Além da perceptível vantagem nos números, a equipe da camisa azul-celeste pode se gabar de ser a mais vitoriosa da era profissional, com 16 títulos nacionais, nove a mais que o maior rival. Além disso, é o único time boliviano a ter disputado uma final internacional (a Copa Sul-Americana em 2004) e o que mais participou da Libertadores (26 vezes, contra 17 do Strongest).

Os estronguistas, por sua vez, têm orgulho do primeiro título da era profissional e também do fato de o clube aurinegro nunca ter sido rebaixado — o Bolívar sofreu uma queda para a segunda divisão em 1964, quando o campeonato nacional ainda era amador.

Lendas, casos e frases do passado
O clássico com mais gols até agora aconteceu em abril de 1978 e terminou com vitória do Bolívar por 6 a 3. Um ano mais tarde, a Academia conquistou a sua primeira grande goleada ao fazer 6 a 0 no rival. O Tigre precisou esperar 25 anos pela revanche, mas valeu a pena: o 7 a 0 conquistado pelos aurinegros em dezembro de 2004 é o resultado mais elástico da história do confronto. Até hoje os torcedores do Bolívar se defendem dizendo que jogaram com reservas, mas não há como negar os números.

Apesar da enorme importância das duas equipes, elas só se enfrentaram uma vez em uma final. Foi em janeiro de 1989, mas para decidir o campeão do ano anterior, e o Bolívar não deixou dúvidas, vencendo por 3 a 0 e comemorando o sexto título nacional da sua história.

Outro duelo muito lembrado é o de dezembro de 1999, apelidado de "Último Clássico do Século". Naquela ocasião, o Strongest venceu por 1 a 0 apesar de jogar todo o segundo tempo com um homem a menos e se classificou para a Libertadores depois de seis anos de ausência. "Foi uma vitória sofrida, fiel à história do clube", afirmou após a partida o presidente Jorge Sfeir Byron.

De dois anos para cá, a história vem sendo muito favorável ao Bolívar, que ficou 13 partidas sem perder do Strongest, inclusive com seis vitórias consecutivas em 2009. As mais importantes foram os dois triunfos por 2 a 1 que eliminaram o Tigre nas semifinais do último Torneio Clausura, cujo troféu acabou nas mãos da Academia.

A última das seis vitórias do Bolívar foi conquistada por 3 a 0 no jogo de ida das semifinais do Torneio Play Off no dia 2 de novembro. O Strongest acabou com a escrita quatro dias depois ao vencer por 3 a 2 o confronto de volta, último clássico entre as duas equipes pelo Campeonato Boliviano.

Na atualidade
Após quatro rodadas do Torneio Apertura 2010, o Bolívar lidera o Grupo B com 100% de aproveitamento. O Strongest é o quarto colocado no Grupo A, mas, apesar de precisar dos pontos, nada importa mais do que acabar com a invencibilidade da Academia. "Nos clássicos não há vantagem", afirmou Andrés Coelho, treinador do Strongest. "Por mais que um dos times chegue melhor, todos os jogadores querem entrar, contribuir e se destacar. Espero que seja uma bela partida." Coelho sabe do que fala, pois é o maior artilheiro aurinegro da história do confronto, com dez gols.

Toda a imprevisibilidade do clássico voltará à tona neste domingo, dia 28 de março, quando veremos se o Bolívar poderá fazer valer o favoritismo ou se o Strongest conseguirá vencer mesmo contra os prognósticos.