Ponte sobre o Rio Negro poderá ficar para 2011

Fatores climáticos e a falta de insumos – que podem ter se perdido com o desabamento do Porto do Chibatão – irão adiar a conclusão dos trabalhos

Manaus, 04 de Novembro de 2010

Tereza Teófilo

Ponte sobre o Rio Negro

Ponte sobre o Rio Negro

A Ponte sobre o Rio Negro - garota propaganda das eleições de 2010 e alvo de uma disputa acirrada entre os dois principais candidatos à sucessão estadual ocorrida este ano, Alfredo Nascimento (PR) e Omar Aziz (PMN), - poderá ser entregue à população somente em 2011. Tanto Alfredo como Omar prometiam a conclusão da obra para novembro.

O secretário da Região Metropolitana de Manaus, Renê Levy Aguiar, evita confirmar a informação de que a obra só será inaugurada no ano que vem, mas reconhece que fatores climáticos e a falta de insumos – que podem ter se perdido com o desabamento do Porto do Chibatão – irão adiar a conclusão dos trabalhos.

Renê Levy revelou que peças do sistema hidráulico que seriam usadas na obra da ponte estavam armazenadas em contêineres e carretas que podem estar no fundo do rio em virtude da tragédia no Porto, ocorrida em outubro em 17 de outubro. Até esta quinta-feira (4), a área permanecia interditada por decisão judicial.

“Não temos a confirmação ainda, mas, como as atividades no Porto estão suspensas, a Camargo Corrêa está com dificuldades de identificar onde está esse carregamento”, disse o secretário.

Levy explicou ainda que a estiagem complicou o içamento das aduelas e o processo, que antes demorava duas horas, agora, com a seca, dura em torno de quatro horas. A obra também já enfrentou período de cheia. Este quadro permitiu que a ponte passasse por vários testes de resistência. Ventos de até 120 quilômetros por hora e descargas elétricas de alta voltagem já foram registradas durante a obra, obrigando os trabalhadores a suspender por alguns momentos as atividades na Ponte.

“Uma das descargas queimou uma placa do circuito eletrônico de um dos equipamentos utilizados na empreitada e isso alterou a rotina dos trabalhos”, exemplificou Levy.

Infraestrutura
Outra dor de cabeça dos técnicos é a obra de infraestrutura que dará suporte às atividades de funcionamento do Complexo, como as pistas localizadas nas duas margens do Rio Negro (lado de Manaus e lado do município de Iranduba). Com a proximidade do período chuvoso, os trabalhos de engenharia nesses trechos poderão atrasar ainda mais.

“Temos 900 metros finais de pista nas proximidades do Porto do Pepeta que ainda não passaram pelos serviços de terraplanagem nem asfaltamento porque estão funcionando como pátio de armazenamento das 12 vigas que ainda não foram instaladas. Se chover mais intenso será difícil fazer esse serviço nesse trecho”, disse Levy.

A construção da Ponte sobre o Rio Negro, obra que ligará a cidade de Manaus ao município de Iranduba e de lá às cidades de Manacapuru e Novo Airão, começou em 2008. A obra tem gerado muitas especulações em torno de seu valor. Orçada inicialmente em R$ 575 milhões já alcançou, com aditivos, R$ 880 milhões.