Últimas Diversão Comunidade Tecnologia Esportes Turismo Quem Somos
Diario de Pernambuco TVGuararapes Radio Caetés Rádio Clube
Edição de Terça-Feira, 18 de Maio de 2004 
Especial | Pólo Médico
   DIARIO
   Índice Geral
   Expediente
   Ed. Anteriores
   Assinaturas
   História
   CADERNOS
   Política
   Brasil
   Mundo
   Economia
   Esportes
   Vida Urbana
   Viver
   SUPLEMENTOS
   Revista da TV
   Empregos
   Viver Mulher
   Viagem
   Informática
   Carro
   Imóveis
   Saúde

    SERVIÇOS

   Loterias

Especial Pólo Médico
Pólo Médico
Pólo nasceu de movimento espontâneo
Construção de hospitais, clínicas, e laboratórios consumiu R$ 200 mi

O Pólo Médico do Recife surgiu no final da década de 70 e início dos anos 80 do movimento espontâneo de um grupo de médicos que se juntou para instalar as suas clínicas na Ilha do Leite. A iniciativa foi motivada pela proximidade com o Hospital Pedro II, onde funcionava a Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pernambuco. Em seguida começaram a surgir os primeiros hospitais privados, como o Albert Sabin e João XXII. Mesmo sem a intervenção pública, foram se instalando novos hospitais, clínicas, laboratórios e centros de diagnósticos por imagem, somando investimentos estimados em R$ 200 milhões. Hoje, o pólo de saúde é referência nacional, ocupando o segundo lugar no País em qualidade, modernidade e avanço tecnológico. Uma clientela de cerca de 20 mil pessoas/dia de usuários dos planos de saúde freqüenta as instalações do pólo.

  A importância do Pólo Médico para a economia do Recife pode ser mensurada pela arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS), que alcançou R$ 7,9 milhões no ano de 2003, concentrada em 90 empresas do setor de saúde. São gerados pelas atividades diretamente ligadas ao pólo 34,7 mil empregos formais nos três mil estabelecimentos, além dos empregos informais nas áreas de hotelaria, recepção, transportes, restaurantes, lanchonetes, escritórios, entre outros.

  O crescimento do pólo estimulou o surgimento de outras atividades complementares, que vão desde a indústria farmacêutica, o comércio varejista de produtos farmacêuticos, artigos médicos e ortopédicos, comércio atacadista de medicamentos, serviços de planos de saúde até a produção de softwares e formação de recursos humanos e de pesquisa.

  Os clientes do pólo se situam nas faixas de renda A, B e C, associados aos planos ou seguros saúde. A maioria dos hospitais e unidades instalados no local não atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Vale resssaltar que existem unidades de saúde públicas de referência fora do espaço físico da Ilha do Leite, como o Instituto Materno Infantil de Pernambuco (Imip), o Hospital da Restauraçãoe o Hospital Getúlio Vargas.

 
        Escolha aqui um canal do Pernambuco.com:
quem somos | contato comercial | sua opinião sobre o portal
Copyright 2003 - Pernambuco.com | todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização | faleconosco@pernambuco.com