É preguiça E falta de tempo - 1

Admito: não dá para dizer que estou sem tempo porque minhas férias começaram há duas semanas. Mas, como tem acontecido com frequência desde, hum, dezembro de 2006, minha vida foi mais chacoalhada que bunda de mulher-fruta nos últimos dias. Uma delícia que me deixou sem fôlego para comentar coisas como…

… a nova revista SET. Editada por Roberto Sadovski até abril deste ano, a publicação de cinema mais tradicional do país mudou de mãos com a compra da editora Peixes pela CBM de Nelson Tanure. A nova SET, que ficou sem circular em maio, passa a ser capitaneada por um time do Jornal do Brasil (que também pertence à CBM). Mario Marques é o publisher e Carlos Helí de Almeida, Marco Antonio Barbosa, Nelson Gobbi e Robert Halfoun são os editores. A revista chega às bancas em 5 de junho com “O Exterminador do Futuro: A Salvação” na capa. O sempre bom de ler Pedro Butcher é um dos novos colunistas. Não folheio a SET desde a edição de dezembro de 2003 - “O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei”  - e não gostava da linha “peido de super-herói vale capa”, mas a revista esteve tão ligada à minha adolescência nerd que espiarei a versão nova nem que seja para abandoná-la melancolicamente logo depois.

***

Falando em melancolia e mortos-vivos, assisti à “Exterminador do Futuro: A Salvação” na última sexta (estreia prevista para o dia 5 aqui no Bananão). Única surpresa é que o picotador-freak McG agora tenta fazer planos-sequência à la Joe Wright que resultam desajeitados e desnecessários (pense nisso se você notar que há algo de estranho na cena do helicóptero, logo no começo, e não entender bem o porquê). Christian Fucking Bale incorpora de vez a hilariante voz rouca de seu Batman, Helena Bonhan Carter faz a ponta mais constrangedora de sua carreira, Bryce Dallas Howard nos deixa morrendo de saudades de “A Vila” e só Sam Worthington salva. Vai dar um bom protagonista para “Avatar”, o sujeito. O trailer entrega a reviravolta do personagem do cara, única ideia realmente interessante e nova dessa continuação que ignora o bom terceiro filme da série.  De resto, espere por referências tristonhas aos dois primeiros longas (na trilha, nas frases de efeito e em uma bizarra “participação especial”) e por uma chuva de novos terminators - aquáticos, voadores, em forma de moto, gigantes  - capaz de entediar até adolescentes. Porque eles querem mesmo é ver “Transformers 2″ (cof cof eu também cof cof).

Guentae que já já tem mais.

6 Responses to “É preguiça E falta de tempo - 1”

  1. Tiago Agostini says:

    tu ta aderindo à escola lucio ribeiro de escrita em blogs?

  2. Diego says:

    Me desmascararam!
    Hehe, é que recebi a capa da SET ontem à noite e quis postar logo. Hoje termino.

  3. Tiago says:

    Pois é, lembrei do Lúcio também… Fazendo escola, hehe.

  4. Falaê! » "Eu não sei nada. Eu não sei nada! Eu não sei nada!!!" says:

    [...] do Judão, por exemplo, é um que aprovou T4. Diego Maia, por outro lado, reprovou o resultado e chamou o diretor McG de “picotador-freak”. Nessas horas, o velho clichê faz todo o sentido: [...]

  5. Douglas Ribas says:

    Diego concordo com você em quase tudo, tirando sua colocação sobre o 3 filme que sinceramente não gostei. Mas ver a atuação de Sam Worthington foi realmente interessante. É isso!

    Abraços

  6. R. Paschoal says:

    Também deixei de ler a SET faz uns bns séculos, mas na minha adolescência, era a minha revista favorita. Vou dar uma conferida aqui nas bancas cariocas, pra ver se ainda encontro.

    Quanto ao filme, ainda não vi. Nem o treceiro, para falar a verdade. Ando numa fase preconceitusoa com os blockbusters, e por isso vou deixar pra depois… rs

    Com relação ao Mr.Bale insistindo na voz do Batman, pelamordedeos, né? Cadê a atuação?

    Grande abraço, guri!

Leave a Reply