Dornier Do335

Versões: A-1: Caça monoposto; A-6: caça nocturno de dois tripulantes;
A-6 equipado com radar como caça nocturno; A-12: avião de
treino (23).

Motores: 2 Daimler-Benz DB 603G de 12 cilindros V invertidos de 1.900 hp, resfriados a líquido e dispostos em oposição.

Velocidade máxima (A-1): 665 Km/h mantidos; 765 km/h em impulsão de emergência (A-6 aproximadamente 64 km mais lento em ambos os casos)

Ascensão inicial (A-1): 1400 m/min; altitude operacional (A-1): 11.410 m; (A-6): 10.190 metros.

Alcance máximo para ambas as versões: 2500 km, vazios; acima de 3750 km com tanque descartável.

Armamento: Típico A-1: uma metralhadora MK 103 de 30 mm que atirava através do eixo da hélice dianteira e duas metralhadoras MG 151/15 de 15 mm sobre o nariz; porta-bombas sob as asas para pequenas bombas e normalmente possuía metralhadoras MG 151/20, de 20 mm, em lugar das de 15 mm.

Histórico: primeiro vôo (Do 33 5V1); Setembro de 1943; (série A-1): fins de Novembro de 1944.

O primeiro protótipo deste revolucionário caça a hélice vôou pela primeira vez em Setembro de 1943. A precocidade desta data indicam que foi mais um dos projectos pelo cepticismo das chefias militares nas novas armas aéreas que então entravam em desenvolvimento, e principalmente pela descrença que Hitler e Goering então manifestavam por elas, atitude que mudariam em 1944, então já bastante tarde para recuperar o tempo perdido. Mas não somente decisões políticas estiveram por detrás dos atrasos do projecto Do 335, com efeito, a própria originalidade da sua concepção impunha desafios novos, novas respostas que os técnicos ainda não conheciam e uma experimentação constante. Tudo isto explica porque o primeiro modelo de produção, o A-1, só apareceu no final de 1944, quando foi assinada a paz, existiam mais versões em estudo, mas o fim do conflito pôs fim ao seu desenvolvimento.

Todo o projecto Do 335 nasceu da ideia de colocar dois motores na mesma carcaça, teoricamente isso deveria produzir um alto desempenho, mas na prática, desse conceito resultaram bastantes problemas técnicos. Por um lado, a complicada instalação de dois motores multiplicava os problemas mecânicos, por outro lado, a colocação de uma hélice traseira criava problemas aerodinâmicos difíceis de resolver, além do mais esta hélice representava uma ameaça para o piloto se este se ejectasse, a solução para este problema passou pela instalação do assento ejectável que já era também usado por alguns aparelhos a reacção, mas o equipamento estava ainda numa fase embrionária e a sua fiabilidade não era ainda grande.

O Dornier Do 335 de produção só chegou a ser produzido em pequenos números, nunca chegando a entrar em acção em operações normais, assim, este avião, que apesar de todos os seus perigos, prometia ser um interceptor fabuloso, nunca chegou a demonstrar o seu valor.

Foi em 1937 que a Dornier registou uma patente para uma aeronave impulsionada por um conjunto de dois motores, até aqui nada de novo, mas a novidade estava em que ambos os motores eram colocados na fuselagem, um atrás do outro, accionando cada um a sua hélice propulsora. Em 1939, Schempp-Hirth contruiu a primeira aeronave usando uma hélice de ré impulsionada por uma extensão do eixo, o Go 9. Mas o desenvolvimento do Do 335 só começaria em 1941. Mas nessa altura o projecto ainda era conhecido como o caça-bombardeiro Do 231, nome que cedo abandonaria. O Do 335 V1 (o primeiro protótipo) voou em 26 de Outubro de 1943 sendo então registada a velocidade de 560 km/h, com as hélices da frente embandeiradas. O sucesso deste vôo inaugural foi tão grande que logo a RLM encomendou mais 14 protótipos, 11 de pré-produção, nas séries A-0, A-1 e A-3 de duplo comando para treino, o A-10 e o A-12 com duas cabinas dispostas em tandem e em degrau. Os testes mostraram a instabilidade aerodinâmica do aparelho, apesar desses problemas estruturais, cada vez mais evidentes, a construção de protótipos não cessou. O A-1 foi aperfeiçoado, foi construído o A-4 como um modelo de reconhecimento e o A-6, o FuG 220 com radar, que seria operado por um tripulante instalado no assento posterior. Outras versões estavam em desenvolvimento quando terminou a Guerra, entre elas estava o caça pesado Do 335B armado com uma metralhadora pesada adicional MK 108 de 30 mm; Do 335s com motores de duas fases e asas de superfície alargada; o Do 435 com motores mais potentes; o estranho Do 635 geminado em que duas fuselagens estariam unidas por uma nova secção central paralela, este projecto, embora mantivesse o selo da Dornier estava em curso na Junkers, sob a designação 8-635. O protótipo pesaria 33.000 Kg, possuindo um raio de alcançe de 6.518 Km e uma velocidade de cruzeiro de 640,5 Km/h. Este Do 635 seria fundamentalmente um aparelho de reconhecimento.

Embora se tratasse de um aparelho bastante pesado para a sua classe o Do 335 era robusto e extremamente veloz. Uma das suas mais significativas inovações consistia na instalação de um assento ejectável, tornado imperioso pela configuração com uma hélice na rectaguarda.

Quando terminou o conflito haviam saído das fábricas da Dornier perto de 90 Dornier Do 335, dos quais mais de 60 haviam recebido o baptismo do ar, mas apenas 20 tinham sido entregues a unidades de combate, e, segundo se sabe, nenhum conheceu o baptismo de fogo.

About these ads
Categories: As "Armas Secretas" da Alemanha Nazi | 3 Comentários

Navegação de posts

3 pensamentos em “Dornier Do335

  1. Sim, a foto mostra bem a sua envergadura. Não me parece que este design tivesse muito futuro. No entanto, o Arrow era um aparelho impressionante.

  2. eu não conhecia esse bom trabalho Clavis queria ver essa decicação e entusiasmo na tv aberta do meu país

Deixa uma resposta

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Modificar )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Blog em WordPress.com. Tema: Adventure Journal por Contexture International.

DIRECT DEMOCRACY, NOMOCRACY, EQUALITY, SOCIALISM @@@ UNO (UNITED NOMOCRATS ORGANIZATION) @@@ www.facebook.com/groups/ NOMOCRATS, SE, GR, DE, UN

EVEN NOT SHEEP NEED A LEADER, DIRECTDEMOCRATIC NOMOCRACY A STATE WHERE THE OWNER AND THE LEADER IS THE LAW

looking beyond borders

Looking at foreign policy differently

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)

A Educação do meu Umbigo

Gaveta aberta de textos e memórias a pretexto da Educação que vamos tendo. Este blogue discorda ortograficamente. Contacto: guinote@gmail.com

Promocão e difusão da língua portuguesa

Blogvisão

"Qualidade de informação para qualidade de opinião!"

geoeconomia

Just another WordPress.com site

Bem-vindo ao site de Egídio Vaz

Researcher and Contractor

Mudar as coisas...

vivemos no presente, e é nele que devemos mudar. mudarmo-nos é condição necessária para mudar as coisas…

Um Jardim no Deserto

Um minúsculo oásis no imenso deserto físico, mental e espiritual em que se está a transformar Portugal

Muralha Verde SCP

Em prol da defesa e do ataque do Sporting!

Pitacos De Um Torcedor Corinthiano

Louco por ti Corinthians!

Sophia's Universes

Despertar para uma Consciência Maior

Nebulosa

Just another WordPress.com site

Wehavekaosinthegarden

Se há quem chore de alegria porque não haveremos de rir de tristeza

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 281 outros seguidores

%d bloggers like this: