Quinta-feira, 26/01/12 - 14:00

Capital reduz homicídios para 9 a cada 100 mil habitantes

A cidade de São Paulo, com mais de 11 milhões de habitantes, reduziu em 14,46% o número de homicídios dolosos no ano de 2011. De janeiro a dezembro, foram registradas 1.023 mortes intencionais, contra 1.196 no mesmo período do ano passado – 173 a menos. Essa redução foi superior até à redução do Estado, que apresentou diminuição de 132 casos.

A capital alcançou a taxa de 9 homicídios por grupo de 100 mil habitantes, o que contribuiu decisivamente para que o Estado alcançasse em 2011 uma taxa de 10 homicídios por 100 mil habitantes, apresentando queda de 5,89% em relação ao ano passado. A taxa média do Brasil é de 22,3/100 mil.

As informações constam das Estatísticas Mensais da Criminalidade, contabilizadas pela Coordenadoria de Análise e Planejamento (CAP) da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

No cálculo da taxa de 9 homicídios alcançada pela capital, foram incluídos os casos de homicídios dolosos em acidentes de trânsito, que começaram a ser registrados separadamente pelos delegados. Desconsiderando os casos de acidentes, a taxa cai para 8,8 homicídios por 100 mil habitantes.

A SSP atribui a redução dos homicídios à intensificação do patrulhamento ostensivo, com retirada da armas ilegais das ruas, e à investigação de crimes, identificação e prisão dos autores.

Aumento da produtividade policial
Um dos indicadores de atividade policial, os flagrantes de tráfico de drogas registraram aumento de 17,76% em 2011. Houve 6.563 casos – 990 a mais do que em 2010, quando foram registrados 5.573 boletins de ocorrência de tráfico de drogas. Esse tipo de ocorrência depende totalmente da ação policial, e o crescimento indica maior eficiência das polícias para apreender drogas e prender traficantes.

O número de prisões realizadas pelas polícias em 2011 subiu 3,1%, com 863 prisões a mais. Foram feitas, no total, 28.803 prisões, contra 27.940 no ano passado.

Outros crimes
Os roubos em geral caíram 1,11% nos últimos 12 meses, com 1227 casos a menos. Também houve redução nos roubos de carga, com 218 casos a menos do que em 2010 – redução de 4,87%. Já os furtos de veículo se mantiveram estáveis, com 169 casos a menos.

A redução dos crimes contra o patrimônio foi alcançada graças ao aprimoramento no trabalho das polícias. O tempo de resposta da Polícia Militar para atender a chamados de emergência tem diminuído, em decorrência, tanto do contínuo treinamento, como da adoção de novas tecnologias adquiridas pelo Governo do Estado. O trabalho da Polícia Civil também vem se aprimorando, a fim de identificar e prender os autores dos crimes contra o patrimônio.

Apesar da mudança na legislação - que agora considera todos os crimes de abuso como estupro - esse tipo de crime apresentou queda de 3,78%, com 95 ocorrências a menos do que em 2010.

Violência contra a mulher
Desde setembro, a Secretaria da Segurança Pública passou a publicar dados de criminalidade contra a mulher. Os números de homicídios, tentativas de homicídios, lesões corporais dolosas e maus tratos, entre outros, serão divulgados mensalmente pelo site da SSP (www.ssp.sp.gov.br). A divulgação atende o disposto na Lei Estadual 14.545, de autoria da deputada Analice Fernandes, aprovada pela Assembléia Legislativa e sancionada pelo governador Geraldo Alckmin, em 14 de setembro deste ano.

O Estado de São Paulo é pioneiro na criação de políticas de defesa da mulher. Tem hoje 129 Delegacias de Defesa da Mulher. Os dados criminais incluem não apenas as ocorrências registradas pelas DDMs, mas de todos os distritos policiais.

Separados por capital, Grande São Paulo, interior e Estado, os crimes contra a mulher já estão contabilizados nas Estatísticas Mensais da Criminalidade, divulgadas pela SSP. Assim, podem ser acompanhados com um foco especial nos crimes contra a mulher. Mas estão contabilizados nos números mensais, que incluem crimes contra homens e mulheres.

Atualizações mais frequentes
Desde março, São Paulo passou a divulgar as estatísticas criminais por mês e por distrito policial no site da SSP (www.ssp.sp.gov.br). A divulgação era feita trimestralmente desde 1995. Com a mudança, as atualizações das estatísticas passaram a ser mais frequentes.

As estatísticas destinam-se, em primeiro lugar, à tomada de decisões estratégicas de governo, como distribuição de recursos materiais, humanos e tecnológicos. Por isso, são sempre atualizadas, de modo a refletir da forma mais próxima possível a criminalidade.

De forma geral, as atualizações são feitas a pedido dos delegados titulares de distritos, seccionais ou divisões, na medida em que descobrem fatos novos a partir da investigação dos crimes. As atualizações propostas são analisadas pela Coordenadoria de Análise e Planejamento da SSP antes de serem oficializadas.

A SSP toma medidas constantemente para diminuir a subnotificação e aumentar o registro formal de cada crime ocorrido. Exemplos disso são a Delegacia Eletrônica e o registro de BOs pela Polícia Militar. É com base nos registros oficiais que são elaborados os mapas da criminalidade, que indicam locais, dias e horários de maior incidência.

 

Confira abaixo a tabela que mostra a redução histórica dos homicídios na capital:

Assessoria de Imprensa e Comunicação da Secretaria da Segurança Pública


Compartilhar em: