fechar
Imigração

Nikkeis no poder

A participação política é a marca máxima da integração em uma sociedade. Confira a trajetória dos representantes da comunidade


por Redação Made in Japan
19.09.2008

Yukishige Tamura, no topo à esquerda, em discurso para os eleitores

Os tintureiros do Estado de São Paulo, na maioria japoneses e descendentes, estavam indignados com uma nova medida imposta pelo governo paulista para tentar aumentar a popularidade entre os eleitores: o tabelamento dos preços dos serviços das tinturarias. O valor de lavagem de um terno havia sido reduzido de 25 para 16 cruzeiros. Entre reuniões e discussões, os profissionais tomaram uma decisão. Iriam eleger o primeiro representante nikkei na Assembléia Legislativa, para que defendesse os direitos dos japoneses e nipo-brasileiros.

O escolhido da categoria era o já vereador da capital, Yukishige Tamura.
Mas havia um empecilho. Os imigrantes japoneses não podiam votar. O jeito foi improvisar uma campanha entre os clientes das tinturarias. Após a lavagem dos ternos, os tintureiros recheavam os bolsos com “santinhos” com a propaganda do candidato. Além disso, na hora de entregar o serviço, os proprietários ainda reforçavam que seus clientes dessem um voto de confiança ao candidato da comunidade. A estratégia deu certo: Tamura foi eleito deputado estadual em 1950.

Quase meio século após o Kasato Maru aportar no Porto de Santos trazendo a primeira leva de imigrantes japoneses, a comunidade nipo-brasileira finalmente elegia seu primeiro deputado estadual. Seu pioneirismo vinha de três anos antes, quando em 1947 tomou posse como vereador na Câmara Municipal de São Paulo. Ele foi o primeiro nipônico a ocupar um cargo legislativo fora do Japão.

Sua carreira política iria bem mais longe. Depois de cumprir o mandato na Assembléia Estadual, Tamura concorreu a uma vaga como deputado federal. Dessa vez, além dos tintureiros, ele contou com o apoio dos agricultores de São Paulo, além de grande parte da comunidade nipo-brasileira. Em 1954 ele conquistava uma vaga na Câmara Federal, onde cumpriu outros quatro mandatos até encerrar sua carreira política.

Após Tamura, muitos outros nikkes se aventuraram na política. Alguns nomes de destaque foram João Sussumu Hirata, Antonio Yoshio Ueno, Shiro Kyono, Antonio Morimoto, entre outros. Em algumas eleições, os nikkeis chegaram a formar uma pequena bancada da comunidade. Em 1962, seis nikkeis foram eleitos durante eleições legislativas: Miyamoto, do Paraná, João Sussumu Hirata e Yukishige Tamura, ambos por São Paulo, formavam o trio que representava a comunidade na Câmara Federal.

No mesmo ano, outro trio tomava posse na Assembléia Paulista: Yoshifumi Uchiyama, Antonio Morimoto e Diogo Nomura. O sexteto no legislativo confirmava a integração política e social dos japoneses e nipo-brasileiros à sociedade brasileira.

Como figuras de destaque, vale citar a trajetória do dentista e bacharel em Direito Diogo Nomura, que começou sua carreira como vereador, na cidade de Marília (SP). Foi deputado federal por cinco legislaturas, contando sempre com o apoio da comunidade nipo-brasileira. Nomura foi o representante de vários municípios, na região de Marília.

A cidade conta com 11 faculdades, destaque para a de medicina, todas levadas pelo político. Seu filho, Aurélio Nomura (PV-SP), segue na política e, assim como o pai, iniciou vida como vereador. Foi reeleito em 2004 e atualmente é o único representante nikkei da Câmara de São Paulo.

Outra história de destaque foi a de um professor de geografia que resolveu se candidatar à vaga de deputado estadual. Sob o slogan “Faça seu professor deputado”, Paulo Seiti Kobayashi, em parceria com Heródoto Barbeiro, colega de trabalho que ministrava aulas de história, trocou o tablado dos cursinhos pelos palanques.

Era o fim de 20 anos de aulas, 1 milhão de alunos e a entrada de mais um nikkei na política. Filho de agricultores, Kobayashi começou cedo a trabalhar na lavoura para ajudar os pais. Ele estudou em escolas públicas do interior de São Paulo e, aos 17 anos, mudou-se para a capital paulista para prosseguir os estudos. Foi durante a faculdade que Kobayashi teve o primeiro contato com a política no movimento estudantil. A primeira legislatura teve início em 1975, pela Arena.

Em 1988, ao lado de Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Mário Covas, ajuda a fundar o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e, no ano seguinte, já pelo novo partido, é eleito vereador. Considerado por muitos colegas como grande articulador político, Kobayashi legislou durante sete mandatos, sendo o último como deputado federal.

“Meu pai foi o único nikkei que presidiu a Câmara Municipal de São Paulo e a Assembléia Legislativa”, reforça o filho Victor Kobayashi, ao lembrar do pai falecido em 2005. E continua: “a comunidade está bem representada nos últimos anos. É importante ter representantes na política, demonstrando nossa integração”, diz.

Atualmente, apesar de significativo, o voto nikkei não é suficiente para garantir vitória nas urnas. Para chegarem ao poder, os nikkeis procuram conquistar eleitores de outros segmentos. Foi o que fizeram os três atuais representantes nipo-brasileiros na Câmara Federal.

Voltar ao topo da página
Imigração
Japonês cria música com pá
Mr Children ainda lidera
Made in JapanCopyright Editora JBC. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Editora JBC.
Editora JBC  | Mangás JBC  | Livros JBC  | Henshin!  | WCS - Brasil  | Restaurantes Japoneses  | Hashitag