Guia do Estudante

Aventuras na História

Estudo das calças aponta: câncer matou Napoleão

Lia Hama | 01/03/2006 00h00

A causa da morte de Napoleão Bonaparte foi câncer gástrico e não envenenamento, aponta o estudo de uma equipe suíça. O objeto de pesquisa foram 12 calças que o imperador francês usou entre 1800 e 1821.

Napoleão morreu em 5 de maio de 1821, no exílio na ilha de Santa Helena, Atlântico Sul. Nos últimos dias de vida, segundo relatos médicos, ardia em febre, vomitava um material com cor de café e suas fezes eram pretas. A autópsia realizada na época apontou como causa da morte um câncer de estômago, mesma doença que teria matado seu pai.

No entanto, a descoberta de arsênico nos cabelos do imperador, em 1961, provocou uma reviravolta. Logo surgiram teorias envolvendo traição e envenenamento. Outros cientistas acreditam em erro médico: Napoleão teria recebido uma dose muito alta de tártaro emético, um sal para aliviar suas dores – que teria provocado uma parada cardíaca.

Um dos principais argumentos contra a tese do câncer gástrico era o de que Napoleão estava gordo quando morreu, aos 52 anos – obesidade não compatível com um paciente com câncer. A equipe de pesquisadores da Universidade de Zurique e do Hospital Universitário da Basiléia mediu o tamanho das calças usadas por ele antes e durante o exílio, inclusive a do momento da morte. A conclusão é que Napoleão, que media 1,67 metro, aumentou seu peso de 67 para 90 quilos até 1820. Mas, em 1821, perdeu pelo menos 11 quilos. “A redução é consistente com o diagnóstico de câncer”, afirma o estudante Edson Leandro Minozzo, que escreveu um artigo sobre o tema a ser publicado no Jornal Brasileiro de História da Medicina.

 

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 134

edição 134,
setembro 2014
Como a Maçonaria, a Bucha e grupos mais obscuros determinaram a trajetória do país

Assine Aventuras na História