Friedrich Wilhelm Viktor Albert, o Guilherme II da Alemanha
(1859 - 1941)


Imperador germânico nascido no castelo de Potsdam, perto de Berlim, que depois de ocupar o trono durante três décadas, foi testemunha e participante do desaparecimento do império alemão, desmembrado após a primeira guerra mundial.. Era filho mais velho do rei Frederico, que ocupou o trono durante apenas três meses, como Frederico III, e de Victoria, primogênita da rainha Vitória da Inglaterra. Apesar de uma atrofia congênita do braço esquerdo, ingressou na escola militar e, mais tarde, na guarda real, da qual faria parte até se tornar kaiser (1888). Seu caráter autoritário e sua concepção de poder levaram-no a um confronto com o chanceler Otto von Bismarck, na discussão sobre reformas trabalhistas propostas pelo imperador, que resultou na demissão do famoso primeiro ministro (1890). Com um novo chanceler, Leo Caprivi, Graf von Caprivi ou conde de Caprivi, iniciou uma política conhecida como neue Wegrinchtung, que visava aliviar o descontentamento do proletariado e evitar o crescimento do Partido Socialista. Sem êxito desencandeou uma política de intenso nacionalismo, de promover o prestígio internacional da Alemanha e defender uma política de âmbito mundial. Assim empreendeu um programa de fortalecimento das forças armadas, em especial da Marinha, o que provocou a desconfiança das nações européias. Acirrou a rivalidade anglo-alemã, especialmente após o início da guerra dos bôeres (1899). Com a criação da Tríplice Aliança, constituída pela Alemanha, Áustria-Hungria e Itália (1882) contra a França, gerou em oposição a criação da chamada Tríplice Entente integrada pela França, Reino Unido e Rússia e, assim essa ambiciosa política de poder promoveu a intensificação de um complicado panorama político internacional que deu início a primeira guerra mundial (1914). Como resultado da guerra (1914-1918) veio a desagregação do império (1918) e o kaiser foi obrigado a exilar-se nos Países Baixos e onde permaneceu até morrer, em Doorn, Países Baixos.