Emae reverte prejuízo e tem lucro de R$ 16,3 milhões no 2º trimestre

Por Ivan Ryngelblum | Valor

SÃO PAULO  -  A Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) informou nesta quinta-feira que obteve no segundo trimestre um lucro líquido de R$ 16,3 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 2,8 milhões apurados no mesmo período de 2017.

O resultado foi beneficiado pela receita financeira líquida de R$ 27,5 milhões apuradas no período, com as variações monetárias aplicadas no contrato de arrendamento da Usina Termoelétrica (UTE) Piratininga, que está arrendada à Petrobras desde 2008, e sobre o acordo fechado com a Sabesp no segundo semestre do ano passado, quando foi acertado um aditivo relacionado à captação de água, pela Sabesp, de reservatórios da Emae.

Estes pontos compensaram o aumento de 81% do prejuízo operacional, para R$ 5,4 milhões, com o custos com bens e serviços sendo superiores à receita. Os custos cresceram 2%, para R$ 53,2 milhões, enquanto a receita tiveram alta de 3,2%, para R$ 47,8 milhões.

A estatal paulista informou que a receita avançou com o acréscimo na renda com prestação de serviços, decorrente dos contratos que a companhia possui com as UTEs de Piratininga e Fernando Gasparian, e a alta nas receitas de construção referentes aos investimentos realizados em ativos da concessão.

(Ivan Ryngelblum | Valor)