Benfica anuncia Bruno Varela mais um ano no Ajax, Alex Pinto no Gil Vicente

O Benfica anunciou hoje que o guarda-redes Bruno Varela vai continuar emprestado ao Ajax, campeão holandês de futebol, enquanto o lateral Alex Pinto, que jogava na equipa 'B', vai para o Gil Vicente, também por empréstimo.

Bruno Varela, que alinhou em 35 partidas pelo Benfica em 2017/18, foi emprestado ao Ajax a meio da época 2018/19 e o treinador Ten Hag volta a contar com o contributo do guarda-redes luso para a nova temporada.

O Ajax pagará um milhão de euros pela cedência por uma temporada de Bruno Varela, ficando ainda com uma cláusula de opção no valor de três milhões de euros.

Quanto a Alex Pinto, de apenas 20 anos, vai estrear-se na I Liga, defendendo o emblema do regressado Gil Vicente.

O lateral-direito está no Benfica desde a época 2017/18, proveniente do Vitória de Guimarães, tendo completado um total de 59 jogos pela equipa 'B', dos quais 32 em 2018/19.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Viva o Jorge Fonseca! Viva a nova Lisboa! Viva nós!

Ontem, em Tóquio, uma senhora de cabelos brancos ergueu-se, livrou-se de uma écharpe que lhe embaraçava as palmas e desatou a ovacionar um campeão do mundo. Havia algo de seu naquela vitória, a senhora Sashiko era filha de Kiyoshi Kobayashi, o mestre. Este fora ensinado para piloto kamikaze durante a II Guerra Mundial, mas a mais radical das formas de combater não estava no seu destino. A mais delicada das artes marciais, sim: conduzir, com técnicas delicadas, o adversário à perda. Que forma nobre de lutar! Kobayashi emigrou para Lisboa em 1958 e inventou o judo português.

Premium

Catarina Carvalho

A rentrée mais aborrecida de sempre?

Como uma peça de teatro onde cada um sabe bem o seu papel, corre sem sobressaltos esta rentrée política que é a antecâmara de uma campanha eleitoral. Sem sobressaltos no sentido do que se esperava - que já é um tanto ou quanto inusitado. O que se passa é que o partido do governo não demonstra nenhum desgaste - e tem conseguido, sem oposição, traçar o caminho e, até, condicionar a narrativa. Fala, não falando - ou talvez seja ao contrário, não falando, fala - em maioria. Desguarnecido à direita, ataca a esquerda, os seus ex-companheiros e agora último obstáculo a essa maioria.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

De onde vêm as nossas memórias?

Tenho imagens tão nítidas da minha infância que é quase impossível que elas sejam reais, que correspondam ao fio dos meus primeiros anos. São nítidas, demasiado nítidas, com a complexidade do real, e não há como explicar que elas possam ter sido apreendidas e guardadas durante décadas num qualquer recanto de mim. Mas estão cá, fazem parte da minha geografia, chegam mesmo a orientar-me, como se tivessem uma função bussolar.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Não podemos suspender o planeta

Não há dúvida de que a capacidade de reação coletiva, seja nas redes sociais seja na rua, está cada vez mais amplificada. Há uma nova demonstração disso, a propósito da Amazónia. Houve outras, como a protagonizada por Greta Thunberg ou como a reação ao fogo na Catedral de Notre-Dame de Paris. Aliás, tornou-se viral comparar a Amazónia e a Notre-Dame, com base na expressão da solidariedade global para com uma e outra (a própria Greta comparou Notre-Dame ao planeta). À partida, a comparação é possível, pois ambas são símbolos civilizacionais. A recente troca de palavras azedas entre Macron e Bolsonaro reavivou a comparação. A identidade de uma civilização não se perpetua também através dos símbolos culturais que faz perdurar? Penso que sim.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Carlos Coelho

Termina amanhã mais uma edição da Universidade de Verão da JSD em Castelo de Vide. Com mais de 16 anos de existência, esta iniciativa marcou profundamente, não apenas aqueles que como eu tiveram a sorte de participar (e já foram mais de 1600 jovens), sobretudo a forma como os partidos passaram a olhar e a investir na formação política. O PSD e a JSD foram pioneiros em 2003 em abandonar as rentrées em modo comício e a apostar numa iniciativa que junta todos os anos cem jovens numa vila alentejana e os coloca a falar sobre os mais diversos temas da política nacional com académicos, governantes, jornalistas, autarcas, entre muitas outras personalidades de vários partidos e independentes. O sucesso da Universidade de Verão foi confirmado também a partir do momento em que outros partidos passaram a querer fazer a sua universidade de verão.